Os benefícios da maçã

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

  A maçã é rica em compostos fenólicos, e por isso possui importante atividade antioxidante. Além de combaterem os radicais livres e o envelhecimento precoce, essas substâncias atuam na redução do risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, câncer, dentre outras.
  Por ser uma fruta rica em fibras, a maçã ainda auxilia, por exemplo, no controle da glicemia e dos níveis de colesterol no sangue, além de atuar na regularização do funcionamento intestinal.
  Para aproveitar ao máximo todas as boas propriedades que a maçã tem a oferecer, é interessante dar preferência à fruta in natura e com a casca, já que é nela onde se concentra a maior parte dos nutrientes. Sendo assim, vale ressaltar que a maçã deve ser bem higienizada antes do consumo.
  Apesar de suas diversas variedades, não existem grandes diferenças nutricionais entre os tipos de maçã. No entanto, pode haver diferença na coloração, tamanho e sabor. As maçãs vermelhas, por exemplo, costumam ter sabor mais adocicado que as verdes, que geralmente são mais ácidas.
  Para não ter erro na hora da compra, é importante observar se a maçã está firme e dar preferência àquelas com coloração mais viva. A casca deve estar íntegra, sem amassados, cicatrizes, furos ou indícios da presença de larvas ou insetos.
  E aí, já comeu sua maçã hoje?

Nutrição no convênio

sexta-feira, 31 de julho de 2015


Você sabia que, de acordo com o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde de 2014 os planos de saúde são obrigados a cobrir de 6 a 18 consultas nutricionais por ano?
Veja:

1. Cobertura mínima obrigatória, de 12 consultas/sessões, quando preenchidos pelo menos um dos seguintes critérios: 
a. crianças com até 10 anos em risco nutricional (menor que percentil 10 ou maior que percentil 97 do peso/altura);
b. jovens entre 10 e 16 anos em risco nutricional (menor que percentil 5 ou maior que percentil 85 do peso/altura);
c. idosos (maiores de 60 anos) em risco nutricional (Índice de Massa Corpórea (IMC) menor que 22kg/m2)
d. pacientes com diagnóstico de Insuficiência Renal Crônica;
e. pacientes com diagnóstico de obesidade ou sobrepeso (IMC maior ou igual a 25 kg/m2) com mais de 16 anos;
f. pacientes ostomizados;
g. após cirurgia gastrointestinal.

2. Cobertura mínima obrigatória, de 18 sessões por ano de contrato, para pacientes com diagnóstico de Diabetes Mellitus em uso de insulina ou no primeiro ano de diagnóstico.

3. Para todos os casos não enquadrados nos critérios acima, a cobertura mínima obrigatória é de 6 consultas/sessões de nutrição por ano de contrato.

E esse tal de detox

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

  Termo que vem sendo fortemente empregado na mídia e por alguns profissionais da Saúde, o “detox” foi criado para se referir a determinadas dietas ou alimentos que supostamente auxiliariam na limpeza e desintoxicação do organismo por meio da eliminação de substâncias prejudiciais à saúde (toxinas), contribuindo para um maior equilíbrio e bem estar.
  Geralmente as dietas detox pregam a retirada de diversos itens da rotina alimentar, como alimentos industrializados e refinados, laticínios, frituras, açúcares, adoçantes, glúten, cafeína e álcool. Por outro lado, incentivam o consumo de verduras, legumes, frutas e cereais integrais, que são importantes fontes de vitaminas, minerais e fibras, os quais proporcionam diversos benefícios ao nosso corpo.
  Há também os muito populares sucos detox, com promessas não só de desintoxicação, mas também de emagrecimento, por conterem alguns ingredientes ditos termogênicos. Alguns componentes bastante frequentes nas receitas são a couve, o gengibre, a maçã e a hortelã. Mas afinal, a pergunta que não quer calar: tudo isso funciona ou não?
  Não existem de fato evidências científicas que comprovem os efeitos citados, tanto no caso da dieta como dos sucos. Convém ainda lembrar que as toxinas são naturalmente eliminadas pelo nosso organismo, independentemente da alimentação, pelos rins, fígado e trato gastrointestinal. Se isso não ocorresse, elas se acumulariam em nosso corpo, o que seria letal.
  Portanto, é importante ressaltar que, ao contrário do que muitas pessoas acreditam, tomar um suco detox ou iniciar uma dieta detox naquela segunda feira pós um final de semana de abusos alimentares, não ameniza a situação. Mas embora não haja efeitos no que se diz respeito à desintoxicação, com certeza haverá benefícios para a saúde em uma alimentação com menos produtos industrializados, que priorize o consumo de frutas, verduras, legumes, grãos integrais e laticínios magros e com quantidades moderadas de gorduras, açúcares, adoçantes, cafeína e álcool. Os sucos ainda podem ser uma forma diferente de inserir no cardápio alimentos e nutrientes que diversas pessoas não costumam incluir com frequência em sua rotina.